Menu fechado

COVID AFETA A FERTILIDADE?

Finalmente após 3 anos a OMS decretou o fim da pandemia e agora, passado tempo, começamos a entender um pouco mais sobre a doença e seus efeitos tardios.

O vírus da covid foi encontrado no sêmen durante a período ativo da doença e com isso a possibilidade de transmissão existe apesar de não ser a via preferencial ( que são as vias aéreas superiores), no entanto após a recuperação da doença não foi encontrado RNA do vírus SARS-CoV-2 no material seminal dos pacientes, o que nos deixa tranquilos com relação a transmissão nesse período.

No entanto, no que tange a fertilidade, existem alterações importantes sobretudo nos primeiros meses pós covid: redução da motilidade espermática e menos espermatozóides no sêmen, o que pode ser considerado bem significativo.

Um estudo belga mostrou que após 1 mês, 37% dos pacientes tinham motilidade espermática reduzida e 29% tinham contagens de espermatozoides baixas e ainda após dois meses depois da recuperação, 28% tinham baixa motilidade.

A orientação médica para quem deseja engravidar a parceira nessa situação é aguardar no mínimo 3 meses, idealmente 6 meses pós tratamento da COVID.

São esperados novos estudos que vão nortear melhor a conduta no que diz respeito da fertilidade no pós COVID para analisarmos os efeitos a longo prazo..

O que sabemos hoje é que temos efeito importantes mas recuperáveis porém precisamos manter a vigilância nesses pacientes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *