Menu fechado

QUAL O MELHOR MEDICAMENTO PARA DISFUNÇÃO ERÉTIL: SILDENAFILA OU TADALAFILA?

Imagem de Freepik

É fato que após a chegada desses medicamentos, sendo o pioneiro de todos o citrato de sildenafila, mais conhecido como azulzinho ou Viagra, a vida sexual de milhares de homens mudou radicalmente.

Até aquele momento, as terapias para a impotência sexual eram bem restritas: poucas medicações orais eficientes, drogas injetáveis intra-penianas, que causavam arrepios no público masculino e por fim as próteses penianas, que eram a solução final mas ainda assim careciam de tecnologia.

Com o advento do Viagra em 1998, inaugurou-se um época de ouro no tratamento dessa patologia, que é bem prevalente no mundo todo: cerca de 50% dos homens aos 40 anos irão experimentar um episódio de disfunção erétil, seja leve, moderada ou severo. Essa porcentagem avança com o passar dos anos, tornando a vida sexual dos idosos um transtorno.

Esse medicação não promove um ereção mas sim a facilita, melhorando sua qualidade e promovendo rigidez o suficiente para o intercurso sexual. Seu mecanismo de ação baseia-se no bloqueio de uma enzima que metaboliza uma molécula fundamental para a ereção, o AMPc.

De lá para cá, outras drogas apareceram, baseadas no mesmo princípio, mas que mudavam no tempo de ação e nos efeitos colaterais. A sildenafila tem a seu favor a segurança (são 25 anos de uso) porém tem um tempo mais curto de ação.

A tadalafila tem uma maior duração, de até 36 horas em teoria, porém se o paciente tiver efeitos colaterais, esses tendem a permanecer por mais tempo. Esta molécula ainda tem uma outra dosagem que permite o seu uso diário, o que pode ser uma boa alternativa para pacientes que tem frequência sexual mais alta, além de poder ser utilizado em pacientes que possuem hiperplasia da próstata e tem algum sintoma de dificuldade miccional.

Então, qual a melhor a medicação?

Depende! Depende do paciente, da idade, da frequência sexual, dos efeitos colaterais e sua intensidade, se tem doenças associadas, se tem hiperplasia de próstata, entre outras variáveis. Essa é uma decisão conjunta entre paciente e urologia.

Não faça escolhas sem antes consultar seu médico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *